Branca de Neve e os sete anões é um conto clássico de princesa da Disney: uma jovem muito bonita e bondosa que sofre bastante nas mãos de uma terrível vilã, até encontrar o "felizes para sempre" ao lado do príncipe encantado. É uma história bonita e simples, mas que talvez não passasse disso sem a participação de uma boa vilã. A temível madrasta da Branca de Neve, a Rainha Má, é quem traz dinâmica a este clássico. Quando se tem uma mocinha frágil e apática, é necesário um vilão com personalidade forte para equilibrar a dinâmica e trazer entretenimento a uma história. Afinal, a luta do bem versus mal sempre dá um gostinho a mais em qualquer enredo.

Conhecemos a história da Branca de Neve, seja no clássico da Disney, seja em outras diversas adaptações que vemos por aí. Mas será que não seria bem interessante conhecer os motivos que levaram a Madrasta a se tornar a Rainha Má? E é exatamente isso que faz a autora Serena Valentino em "A Mais Bela de Todas - A história da Rainha Má", publicado pela Universo dos Livros. Essa é a segunda história da autora que resenhamos aqui no Satisfashion. A primeira foi "A Fera em Mim, onde Serena contou a origem da Fera de "A Bela e a Fera". Leia aqui.

Em A Mais Bela de Todas, Valentino construiu uma história plausível sobre uma jovem humilde, linda, doce, meiga e muito batalhadora que se transforma em uma mulher frívola e má, capaz de executar os atos mais terríveis para conseguir o que deseja: a beleza eterna!

A narrativa da autora é simples e direta, e o enredo não possui muito desenvolvimento, por isso, este é um livro que possui uma leitura bastante rápida. Entretanto, essas características não fazem a história ser boba ou descartável. Serena criou uma narrativa que cativa o leitor e o faz querer conhecer mais sobre a Rainha. Ao longo da leitura, vemos uma jovem mulher se apaixonar loucamente por um Rei. Uma mulher que conquista todos ao seu redor por sua bondade, e pelo amor que possui por Branca de Neve, sua enteada, até que algo terrível acontece, e passamos a presenciar uma brusca mudança de comportamento. É nesse momento que Serena mostra ao leitor os motivos de tal transformação. E a autora soube fazê-lo com precisão, pois a razão escolhida foi sólida e real. São sentimentos que vemos e conhecemos: a inveja e a rejeição. Nada justifica as ações tomadas pela Rainha, mas passamos a compreendê-la melhor depois de conhecer toda a sua turbulenta trajetória.

Contudo, a virada na história demora a acontecer. O livro é curto, tem 207 páginas, e só vemos a Rainha Má surgir de fato em seus momentos finais. Isso faz com que o leitor devore o livro freneticamente para chegar na parte principal, e quando a hora H chega, a história torna-se bem mais ágil, fazendo-nos visualizar algumas cenas do clássico desenho, que nessas partes se assemelha um pouco a da hisória da Disney.

Com um enredo interessante, personagens bem estruturados, um final redondo (talvez surpreendentes para muitos), Serena Valentino fez de A Mais Bela de Todas, uma história simples, mas recehada de sentimentos reais.

 

Sobre a autora:

Serena Valentino há anos vem criando contos fantásticos em seus quadrinhos aclamados pela crítica. Ela é conhecida por seu estilo único de contar histórias, que conduz seus leitores a mundos requintadamente construídos, repletos de aventura, beleza e protagonistas extraordinários. Ela vive em São Francisco.

Segunda, 23 Outubro 2017 18:51

[RESENHA] Sinceramente, Carter

Sinopse: 

Apenas amigos. Somos apenas amigos. Não, sério. Ela é só minha melhor amiga. Arizona Turner é minha amiga desde a quarta série, mesmo quando a gente “se odiava”. Acompanhamos a vida um do outro desde o primeiro beijo, a primeira vez, e somos uma constante na vida do outro quando os bons relacionamentos ficam ruins. Até nossas faculdades ficavam a minutos de distância uma da outra.
Com o passar dos anos, e apesar do que dizem por aí, nunca ultrapassamos nenhum limite. Nunca sequer pensei a respeito.Nunca quis. Até que, certa noite, tudo mudou. Pelo menos devia ter mudado…
Apenas amigos. Somos apenas amigos. Só estou dizendo isso até descobrir se ela ainda é “apenas” minha melhor amiga.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Me interessei por esse livro assim que li a sinopse: duas pessoas que são amigas desde a infância e que nunca cogitaram se envolver romanticamente, acabam apaixonando-se anos mais tarde. Tinha muita curiosidade em ver como a autora iria mudar esse cenário. Se ela iria abusar dos clichês e partir para caminhos mais fáceis ao transformar o sentimento dos amigos. E bem, ela fez isso.

Sinceramente, Carter (lançado pela Universo dos Livros) conta com 400 páginas e por isso, a autora poderia ter elaborado melhor a mudança do relacionamento dos personagens. Logo no início, o sentimento novo de Carter e Arizona começa a aparecer. Já podemos conferir de início o começo da atração dos dois, assim, sem mais nem menos e ao mesmo tempo. Na verdade, a autora escolheu outro modo de contar a história. Durante o livro, Whitney G. intercala em capítulos, momento atuais e momentos que aconteceram durante a amizade dos dois desde a infância. Nessa fase, a autora mostra como era amizade dos dois e no que foi se desenvolvendo até o tempo atual. E apesar de eu sentir uma falta de aprofundamento na amizade do casal, isso não me fez não curtir a história, muito pelo contrário. A narrativa da autora é super tranquila de ler por ser objetiva e direta. A história não possui muitos conflitos, tirando a parte final do livro que dá vontade de bater em um dos protagonistas.A autora criou uma história atraente e sensual que torna a leitura bem rápida, dinâmica e interessante.



Arizona e Carter têm aquele tipo de amizade que todos gostariam de ter. Eles contam tudo um para o outro, se zoam e se xingam. A honestidade crua é a base do relacionamento dos dois. Ela é uma personagem forte, que tem opinião, mas nem por isso deixa de ser sensível e doce. Já Carter é aquele típico mulherengo que não se envolve com ninguém por muito tempo. Apesar de ter passado por uma infância turbulenta, o jovem é um cara bem bacana e leal aos seus amigos.

A única coisa que me incomodou mesmo no livro foi a rapidez com que a atração dos dois rolou, mas o grande trunfo da história é a dinâmica entre Carter e Arizona. Whitney criou dois personagens que são deliciosos de acompanhar. O relacionamento dos dois é real, com um diálogo real e com uma situação real. O que acontece com eles, e o modo como eles se tratam pode acontecer com você, com um amigo seu, com o seu vizinho, etc. Enfim, são situações que podem acontecer com quem quer que seja, pois o livro é contemporâneo, jovem e com os dois pés na realidade.

Sinceramente, Carter é aquele New Adult rápido de ler, que te conquista fácil graças a narrativa e a objetividade da autora. É um livro do dia a dia, sem dramas e chororôs. Um excelente passatempo que te diverte e entretém, afinal, a leitura é tão gostosa que o leitor devora a história em pouquíssimo tempo.


OH, LOOK WHAT SHE MADE US DO!

Bônus: os fãs de Taylor Swift têm um motivo especial para curtir esse livro. Whitney homenageou a cantora colocando algumas de suas músicas como os títulos dos capítulos. A autora montou uma playlist bem bacana com as canções, e você pode conferir todas elas abaixo:


1- Blank Space
2- Wildest Dreams
3- All Too Well
4- Sad Beautiful Tragic
5- Sparks Fly
6- Breathless
7- Eyes Open
8- Both of Us
9- Tell Me Why
10- The Best Day
11- The Moment I Knew
12- The Last Time
13- Speak Now
14- Everything Has Changed
15- Love Story
16- Come in With The Rain
17- Crazier
18- All You Had To Do Was Stay
19- Should've Said No
20- Two Is Better Than One
21- Treacherous
22- Half of My Heart
23- Come Back...Be Here
24- We Are Never Ever Getting Back Together
25- Begin Again
26- How You Get The Girl
27- I Wish You Would
28- Shake It Off
29- You're Not Sorry
30- You Belong With Me

Sobre a autora:

Whitney G. é uma jovem escritora norte-americana, que vive obcecada com viagens, chá e café. É também uma autora bestseller do New York Times e do USA Today, para além de ser fundadora do blogue The Indie Tea, onde procura inspirar jovens autores independentes de literatura romântica.

Dulce María é atriz, cantora, compositora, empresária e escritora. O último, talvez, muita gente pode não saber, mas a mexicana de 32 anos publicou seu primeiro livro - Dulce Amargo, em 2008, ainda na época do RBD. Neste livro, Dulce reuniu alguns poemas e canções que foram retirados de um lugar bem íntimo: o seu coração. 

Capa da primeira versão de "Dulce Amargo" 


Depois de nove anos do lançamento da primeira publicação, chega ao Brasil uma nova versão, o livro Dulce Amargo - Lembranças de uma Adolescente, publicado por aqui pela Universo dos Livros. Neste novo diário, a autora não fez diferente: Dulce expôs toda a sua alma, desnunando seus mais profundos sentimentos para todos aqueles que desejarem conhecer o seu verdadeiro "eu", e não somente a artista ou a celebridade.

Em Dulce Amargo, não vemos a atriz renomada ou a cantora aplaudida, vemos uma jovem mulher que sofre de amor, que vive o amor intensamente, que chora, que sorri, que aconselha e que é confundida por uma série de sentimentos. Ou seja, uma ambiguidade de sensações que todos nós possuímos em nosso interior.

Se você conhece a Dulce do fenômeno Rebelde e não acompanha ou não curte a carreira da ruiva, não se preocupe. Dulce Amargo não conta a sua trajetória. Dulce Amargo é um diário dos seus sentimentos, por assim dizer. São textos originais dos quais o leitor se identificará prontamente por conta do conteúdo honesto e liberador. 



Se você é fã da eterna Roberta Pardo, não se surpreenderá com o fato de que nada mudou: Dulce María continua ao mesmo tempo sensível e forte, passando a mensagem de sempre lutar

por seus sonhos e objetivos. Assim como a sua mais famosa canção, o hino "No Pares", no qual cantava versos como "não pare nunca de sonhar", é assim que Dulce inicia o livro, com uma mensagem positiva e motivadora:

"Acredito que esta frase se aplica a todos os aspectos da nossa vida: "busque e encontre." Busque o que você mais ama; lute por seus sonhos e por aquilo que te apaixona;

encontre sua missão nessa vida, dado que todos temos a nossa; agardeça por tudo o que você tem, em vez de se focar naquilo que falta; seja a mudança que gostaria de ver no mundo."

Dulce Amargo - Lembranças de uma Adolescente, funciona como uma espécie de auto ajuda sem classificação indicativa. Não por ser algo para maiores de 18 anos, e nem para menores.

Os textos produzidos por Dulce María são temas que tocam a alma de pessoas de todas as idades. O livro funciona como um desabafo de uma amiga íntima, aquela pela qual vocÊ torce e se identifica.

 

Sobre a autora:

Dulce María Espinosa Saviñón (Cidade do México, 6 de Dezembro de 1985) é uma atriz, cantora, compositora e escritora mexicana. Integrou as bandas Kids, Jeans e o fenômeno RBD, além de ter atuado em mais de 10 telenovelas e feito outros trabalhos paralelos - como a dublagem do filme El Agente 00-P2 e o lançamento do livro Dulce Amargo. Atualmente segue com sua carreira solo, com a qual já lançou três CDs e um DVD.

Domingo, 02 Julho 2017 09:33

[RESENHA] Atraído

Era noite de domingo, mais precisamente às 23:50, quase segunda-feira, quando decidi ler um capítulo de Atraído antes de dormir. Teria que acordar cedo no dia seguinte para trabalhar, mas antes queria dar uma olhadinha no livro. Quando vi, já era meia noite e meia e eu estava no quarto capítulo. Forcei-me a largar o livro para tentar acordar com o mínimo de sono possível na segunda, mas já estava mega ansiosa para retomar a leitura. 

Sabe aquela história que você fica rindo do início ao fim? Então, foi isso o que aconteceu com Atraído. Minha gente, esse livro é engraçado demais! E ele já começa super diferente. Atraído é narrado totalmente pelo personagem masculino Drew Evans, o protagonista da história. Drew começa o primeiro capítulo contando de forma mega informal, o que de errado está se passando com ele. Só que a narrativa do personagem é muito engraçada. Ao longo da história, Drew inunda o livro com referências de filmes que todo mundo viu; ou então, exemplifica a situação que está sendo narrada no momento com exemplos muito divertidos. Não sabia se ria ou se ficava com pena das enrascadas que Drew se metia. Quer dizer, eu sabia sim. Eu ria, e muito!

 

Capa da versão norte-americana. 

Estou falando aqui que Drew faz isso, que faz aquilo, como se ele realmente fosse alguém real, alguém que contou uma parte da sua vida para nós. Mas é que a autora construiu um personagem tão real, que realmente fica difícil pensar nele como alguém fictício.  Em um determinado momento da história, tive que dar uma olhadinha na capa do livro para ver se realmente ele foi escrito por uma mulher. Emma Chase, a autora, trouxe para as páginas do livro um personagem que você pode encontrar em qualquer esquina (ok, também não é assim, porque se for, quero saber aonde encontro um Drew Evans passeando por aí...). Emma construiu um empresário bilionário arrogante, porém de bom coração, mas que nem por isso deixa de ser um homem, que pensa como um homem, que fala como um homem, e que age como um homem. Você vai encontrá-lo tendo atitudes machistas e vai querer bater nele por isso e aquilo, mas isso é ótimo, pois essas características o transformam em alguém real.

Depois disso tudo, não preciso dizer que o grande trunfo de Atraído é a construção da autora com o Drew, porque na verdade, o grande suprassumo da história é o personagem. Mas vamos largá-lo de mão um pouquinho e falar da história. Drew é o nosso narrador principal. É com o empresário que  iremos descobrir como ele conseguiu finalmente se apaixonar por alguém, como conquistou esta mulher, como a perdeu e como tentará reconquistá-la.  Já falei que ele é daqueles ricos arrogantes que acham que podem conquistar o mundo apenas por serem eles, mas temos aqui um par a altura de Drew: a  determinada e objetiva Kate Brooks.  Apesar da atração mútua, Kate e Drew vivem a pé de guerra, bem na vibe a

gata e o rato, o que rende cenas cômicas e bem calientes.

Atraído é o primeiro da série de quatro livros. Todos os outros já foram lançados no Brasil pela Universo dos Livros.

Se você está passando por uma ressaca literária, ou quer ler algo leve, mas que mesmo assim tenha aquele tempero picante, Atraído é a escolha correta.

Sobre a autora:

EMMA CHASE vive em uma pequena cidade de Nova Jersey com seu marido e seus filhos. Seu primeiro livro, Atraído entrou nas listas de Best-Seller do The New York Times e do USA Today. 

 

 

Domingo, 18 Junho 2017 17:48

[Resenha] A Fera em Mim

Semana passada trouxemos a resenha do livro A Bela e A Fera - edição oficial do filme. Hoje iremos continuar falando desse universo tão aclamado da Disney. Trata-se de A Fera em Mim, mais um livro publicado pela nossa parceira Universo dos Livros
 
Sinopse:
 
Um príncipe amaldiçoado se isola em seu castelo. Poucos o viram, mas aqueles que conseguiram tal proeza afirmam que seus pelos são exagerados e suas garras são afiadas – como as de uma fera! No entanto, o que levou esse príncipe, que já foi encantador e amado por seu povo, a se tornar um monstro tão retraído e amargo? Será que ele conseguirá encontrar o amor verdadeiro e pôr um fim à maldição que lhe foi lançada? Em “A Fera Em Mim”, conheça a história por trás de um dos mais cativantes e populares contos Disney de todos os tempos: A Bela e a Fera!

Resenha:

A Fera em Mim, de autoria de Serena Valentino, traz um ponto de vista diferente sobre a já conhecida história de A Bela e a Fera. Neste livro, a autora aborda os acontecimentos que levaram um lindo príncipe a se tornar um temido monstro. Serena também narra o desenrolar dos acontecimentos durante a maldição.

Como podemos ler em nossa resenha de "A Bela e a Fera", a autora Elizabeth Rudnick mesclou a história do desenho com o filme e acrescentou uma pitada de novidade. Já em A Fera em Mim, o leitor irá encontrar uma nova roupagem da história, com novos personagens e um enredo distinto do conhecido. Serena mostra uma visão mais completa da personalidade cruel e egoísta do príncipe. Se na história da Disney nós torcemos para a maldição ser quebrada, neste livro não podemos esperar para que o príncipe tenha logo o seu castigo.

Olha ele aí! Há quem prefira ele como Fera... e vocês?

A Bela da qual conhecemos fica em segundo plano. Óbviamente, ela ainda é a parte crucial para a finalização da história, porém, a autora criou novos personagens que são fundamentais para a construção e o andamento da narrativa. Tais personagens ganham tanto destaque que acabam por dividir o protagonismo do livro com a Fera.

Serena conduz a história da maldição passo a passo durante alguns capítulos, e é nesse ponto que conhecemos a fundo a personalidade do príncipe. Cada vez que ele toma uma atitude egoísta e mesquinha, entendemos mais do motivo da punição ser tão severa.

O livro é curto e pode ser concluído em pouquíssimo tempo dependendo da velocidade da leitura do leitor. Serena possui uma escrita simples, mas direta e objetiva, fazendo com que este conto possa ser lido por leitores de todas as idades. 

Os mais fanáticos podem torcer um pouco o nariz para essa nova perspectiva da história, mas todos os ingredientes colocados aqui, fazem de A Fera em Mim uma leitura interessante. Talvez não tão encantadora quanto a qual conhecemos, mas ainda assim, carrega a mensagem de que o amor é maior do que a futilidade e as aparências.

Dan Stevens é o ator que interpreta a Fera no live-action

Ressalvas:

- O Gaston que conhecemos continua sendo aquele embuste arrogante, mas neste livro a origem do personagem tem mais a ver com a do príncipe do que podemos imaginar.

- Serena também escreveu outros livros focados nos clássicos da Disney. Ela deu uma repaginada e destacou as histórias da vilã Úrsula de A Pequena Sereia, da madrasta da Branca de Neve, etc. Em A Fera em Mim, ela cita alguns desses personagens.

- Antes de Bela aparecer, o príncipe tentou escapar da maldição envolvendo-se com outras mulheres. Uma delas é o estopim para que a história tome fôlego.

Sobre a autora:

Serena Valentino há anos vem criando contos fantásticos em seus quadrinhos aclamados pela crítica. Ela é conhecida por seu estilo único de contar histórias, que conduz seus leitores a mundos requintadamente construídos, repletos de aventura, beleza e protagonistas extraordinários. Ela vive em São Francisco.

 
 
 

 O live action do clássico da Disney, A Bela e a Fera emocionou a todos pela fidelidade com a animação de 1991. Protagonizado por Emma Watson e Dan Stevens, o filme fez bonito nas telas do cinema e arrecadou 1 bilhão em bilheteria mundial, tornando-se uma das produções cinematográficas mais vistas do ano. 

 
 
Apostando no sucesso da produção, a editora Universo dos Livros lançou o livro A Bela e a Fera, uma edição oficial do filme, escrito por Elizabeth Rudnick.  

Quer saber se a história da autora é tão maravilhosa quanto ao desenho e ao filme? Confira nossa resenha abaixo:

Sinopse:

Bela deseja para sua vida muito mais do que a pequena cidade provinciana de Villeneuve pode oferecer. Lá, ela se destaca da multidão com um ponto de vista único, uma independência vigorosa e um notável amor pelos livros. Ela anseia por viagens e aventuras, e por uma vida tão empolgante quanto as histórias que lê, mas, quando seu amado pai é aprisionado por uma fera em um castelo encantado, o destino de Bela muda para sempre. Ao arriscar sua liberdade e seu futuro, ela assume o lugar do pai, jurando-lhe que escaparia em segredo. No entanto, conforme aprende mais sobre a Fera e seu misterioso castelo, Bela descobre que pode haver mais sobre a história dele – e sobre a sua própria – do que ela jamais poderia ter imaginado.

Resenha:

Antes de mais nada, este livro é um presente. Um presente para quem cresceu assistindo aos clássicos da Disney, para quem é apaixonado pela animação "A Bela e a Fera", e para quem amou o live-action. Elizabeth Rudnick acertou em cheio ao escrever este livro. A autora reuniu uma parte bastante significativa do enredo do filme, incluindo também partes da narrativa e diálogos do desenho, e acrescentou uma pitada de conteúdo original. Todos esses ingredientes transformaram este livro em uma receita deliciosa e completa.

Com isso, os fãs do clássico continuam com personagens cativantes e uma história regada de mensagens positivas. Aqueles que nunca esbarraram no mundo de A Bela e Fera encontrarão uma mocinha destemida, inteligente e bondosa, que destoa das princesas clássicas que são sempre salvas pelo príncipe encantado. No enredo, temos um príncipe também nada convencional, tanto em sua aparência de Fera, quanto em sua personalidade difícil e geniosa. Aqui, as madrastas más e as bruxas dão lugar ao vilão mais belo e arrogante dos contos. Para completar o time, entra em jogo outros personagens interessantes e divertidos que farão o leitor torcer rapidinho pelo "felizes para sempre".

Vale destacar que apesar de toda a fidelidade com as produções da Disney, a autora não reproduz as partes musicais no livro. Elizabeth transformou as canções em cenas, isto é,o leitor irá encontrar, por exemplo, o momento clássico da Bela dançando com a Fera em formato de narrativa. Mas se você é daquelas pessoas nostálgicas, que tal fazer essa parte da leitura ouvindo a música? 

A Bela e a Fera é uma história que reúne suspense, romance e ação, fazendo desse clássico um sucesso absoluto seja em desenho, filme ou livro.

 Sobre a autora:

Elizabeth Rudnick já escreveu mais de trinta livros, incluindo os romances Tweet Heart, Pete’s Dragon: The Lost Years, e o best-seller juvenil baseado no live-action homônimo de Cinderella. Ela vive em Cabo Cod, no Estado de Massachusetts, nos EUA, com seu marido e três amáveis vira-latas: Jack, Gin-ger e Belle.

Quem Somos

O Satisfashion Brazil conquistou em pouco tempo credibilidade e a confiança de seus leitores e parceiros, tornando-se referência em Moda e Cultura.

 

Últimos posts

Newsletter

Participe de nossas campanhas e informativos sobre tendência de moda e brindes