Crítica | O Musical Mamonas

"O Brasil virou um país careta" é com essa frase bem no início do espetáculo O Musical Mamonas, em cartaz no Theatro Net Rio desde a última quinta-feira (07/07), que começamos a voltar para o universo Mamonas Assassinas. A banda mais popular da década 1990, com um meteórico sucesso e um trágico fim, divertiu crianças e adultos com suas letras nada convencionais e misturando diversos estilos musicais.

O espetáculo apresenta o vocalista Dinho, interpretado por Ruy Brissac que assusta pela a semelhança física com o falecido cantor, o guitarrista Bento (Yudi Tamashiro), o tecladista Júlio (Adriano Tunes), o baixista Samuel (Elcio Bonazzi) e o baterista Sergio (Arthur Ienzura) no céu como anjos.  Após receberem um chamado do anjo Gabriel e do próprio "Creuzebek God" para voltarem à Terra e contarem a sua trajetória, eles aceitam a missão e começam a relembrar como se conheceram e formaram a banda Utopia, que precedeu a banda Mamonas Assassinas. 

Diferente da proposta de "Mamonas Assassinas", Utopia tinha uma pegada séria, com letras poéticas e filosóficas, entretanto não fazia sucesso com o público - com 1.000 cópias lançadas apenas 100 foram vendidas. Após conhecerem o produtor Rick Bonadio (Patrick Amstalden), eles percebem que o público gosta do jeito deles engraçado e fazendo deboche deles mesmos e a sociedade. A partir deste momento, eles mudam o perfil de suas músicas e  surge os "Mamonas Assassinas" como conhecemos.

Dirigido por José Possi Neto e texto de Walter Daguerre, o Musical Mamonas reconta com detalhes, durante 3 horas de espetáculo, a carreira destes cinco músicos, inclusive mostrando personagens poucos conhecidos desta história, como o produtor José Augusto e seu filho Rafinha, interpretado pelo o talentoso Bernardo Berro.

Merecem destaque o figurino de Fabio Namatame e a maquiagem e o cabelo assinados por Anderson Bueno que foram responsáveis por recriar as roupas caricatas dos Mamonas e transformar Patrick Amstalden e Bruno Berro em diferentes personagens para ajudar a contar a trama.

Assim como era na época dos Mamonas, o público é uma parte importante do musical, a peça é interativa com os atores fazendo brincadeiras com a platéia. O Musical Mamonas é tão bem construído que não tem como você não se emocionar, cantar e vibrar junto com o elenco. É como se tivesse a oportunidade de assistir mais uma vez aos Mamonas, como se eles tivessem realmente descido à Terra por pelo menos mais um dia... E é fácil você ouvir alguém comentando "Eu chorei", mas não é um choro de tristeza, e sim uma lágrima de felicidade por poder reviver toda aquela atmosfera criada por um grupo talentoso e que nos deixou tão cedo. Quanto ao acidente, ele não é retratado, e nem é necessário, todos sabemos como e quando foi. Não precisava mesmo! A escolha do diretor de não apresentar esta parte, tornou o espetáculo ainda mais sensível para as famílias e os fãs. 

O Musical Mamonas irá transportá-lo há 20 anos, em uma época em que não existia a palavra bullying e que era normal rir de si próprio e do outro, sem medo de processo. Os Mamonas Assassinas são um marco na história da nossa música pela a criatividade, irreverência, mas também por representarem o que a sociedade queria dizer e ouvir. Eles nunca se levavam a sério e isso é algo que faz falta hoje. De onde eles estiverem, eles devem estar felizes com a homenagem que está sendo feita por aqui. 

 

Serviço:

Teatro Net Rio 

Rua Siqueira Campos, 143 - Copacabana, Rio de Janeiro

Qui, Sex e Sáb às 21h e Dom às 19h

Plateia e Balcão I: R$120,00 | Balcão II: R$ 50,00

Classificação: 12 ANOS

Ficha técnica

Texto - Walter Daguerre 
Direção Geral - José Possi Neto 
Direção Musical - Miguel Briamonte 

Elenco 
Ruy Brissac - Dinho 
Adriano Tunes - Julio 
Yudi Tamashiro - Bento 
Elcio Bonazzi – Sergio/Samuel 
Arthur Ienzura – Sergio/Samuel 
Rafael Aragão – Cover Dinho 
Patrick Amstalden – Rick Bonadio 
Vanessa Mello - Ensemble 
Nina Sato - Ensemble 
Gabriela Germano - Ensemble 
Maria Clara Manesco - Ensemble 
Marco Azevedo - Ensemble 
Reginaldo Sama - Ensemble 
Bernardo Berro - Ensemble 
Andre Luiz Odin - Ensemble 
Coreografia – Vanessa Guillen 
Cenário - Nello Marrese 
Figurinos - Fabio Namatame 
Designer de maquiagem e cabelos – Anderson Bueno 
Designer de Luz - Wagner Freire 
Designer de som - Gabriel D’Angelo 
PRODUTORES ASSOCIADOS - Rose Dalney, Márcio Sam e Túlio Rivadávia
Apresentado por Ministério da Cultura, Governo do Estado de São Paulo e Banco do Brasil Seguridade 
Patrocinado por Banco do Brasil Seguridade e Besni 
Realizado por MINIATURA 9

 

Compartilhar

Sobre o autor

Babi Bernardo

Babi Bernardo, carioca, Designer de Moda pelo SENAC-RJ, Personal Stylist pelo curso da Dany Padilla, cursando Gestão de Varejo pela UNIVAR-UCAM, especialista em Fashion Buying & Merchandising pela London College of Fashion. Trabalha no varejo há sete anos com foco em Compras. É editora-chefe do Satisfashion Brazil.

 

 

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Quem Somos

O Satisfashion Brazil conquistou em pouco tempo credibilidade e a confiança de seus leitores e parceiros, tornando-se referência em Moda e Cultura.

 

Últimos posts

Newsletter

Participe de nossas campanhas e informativos sobre tendência de moda e brindes